| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O CANGAÇO EM FOCO
Desde: 28/02/2011      Publicadas: 854      Atualização: 09/11/2013

Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO


 HISTÓRIA DO CANGAÇO

  18/09/2012
  0 comentário(s)


CANGAÇO DENTRO E FORA

O sertanejo comum ingressava no bando lampiônico por diversos motivos. Entre eles estavam à admiração romântica pela aventura, a perseguição policial, a vingança e vários outros. Entre esses motivos, destacamos dois: o convite " dividido em moderado e pressionado " e o brutal.

CANGAÇO DENTRO E FORA
CANGAÇO DENTRO E FORA
Clerisvaldo B. Chagas, 18 de setembro de 2012.
Crônica Nº 866

O sertanejo comum ingressava no bando lampiônico por diversos motivos. Entre eles estavam à admiração romântica pela aventura, a perseguição policial, a vingança e vários outros. Entre esses motivos, destacamos dois: o convite " dividido em moderado e pressionado " e o brutal. O convite modera-do era feito a alguém, quando o momento estava tranquilo no bando, em uma passagem, uma festa, um pouso, nas ocasiões de menos bebida e bom humor. A recusa, por alguma razão, não tinha consequência nenhuma. O convite pressionado acontecia quando era enxergado grande valor no convidado, muitas vezes pelo simples olhar avaliativo do cangaceiro. Recusado o convite, os do bando não se conformavam e ficavam pressionando onde reencontrasse a pessoa. O convidado dessa maneira tinha apenas três opções: mudar-se do sertão, ingressar nas forças policias ou partir com os bandidos. Caso não usasse uma delas, a morte era quase sempre questões de dias ou meses, dependendo da sorte. Já o convite brutal, acontecia mais quando o bando estava reduzido e precisava renovar as suas fileiras. Rapazes encontrados na caatinga, como vaqueiros, agricultores, boiadeiros, tiradores de mel, eram levados bruscamente de acordo com o que o povo chama de "ir na marra".

Uma vez dentro do bando, muito difícil era abandoná-lo. Logo nos primeiros dias, Lampião ou os chefes de subgrupos jogavam o recém-chegado numa armadilha. Teria que aguentar com bravura um fogo cerrado e também matar friamente algum prisioneiro. Refugar seria morrer em lugar da vítima. Sendo aprovado nos testes, a notícia chegaria aos ouvidos do povo e da polí-cia, não deixando a alternativa de fuga do bando, pois assim o indivíduo já arranjara inimigo lá fora. Todos os assassinos dizem que o pior assassinato é o primeiro. Daí em diante, apaga-se a consciência de matar e vicia. Como deixar o bando marcado pela sociedade? Desertando, haveria o perigo de morrer lá fora pelos familiares das vítimas e pela polícia. Assim, nesse emaranhado de cipós de ferro, continuava o novato cangaceiro sua vida nômade, sem perspectiva alguma de liberdade. Não foi somente o cabra, o cangaceiro anônimo que enfrentou essa situação. Muita gente que chegou depois ao estado-maior também iniciou assim.

As quadrilhas de traficantes usam artifícios parecidos. Não é fácil para o sujeito deixar a facção aonde se meteu. E as drogas vão deixando os seus rastros de sangue como as hostes cangaceiras. Hoje como ontem, no CANGAÇO DENTRO E FORA.
  Autor:   Clerisvaldo B. Chagas


  Mais notícias da seção HISTÓRIA no caderno HISTÓRIA DO CANGAÇO
05/07/2012 - HISTÓRIA - As Batalhas de Lampião: Serrote Preto
Entre as centenas de batalhas enfrentadas por Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, contra as volantes constituídas por civis e policiais de sete estados do Nordeste, três delas se destacaram pelo número de feridos e mortos e também pela grande quantidade de soldados se comparada à de cangaceiros. ...
08/01/2012 - HISTÓRIA - As passagens de Lampião por Aquidabã
Virgulino Ferreira, o Lampião, visitou Aquidabã por duas vezes. A primeira fora feita amistosamente, apenas para o reconhecimento do lugar. A segunda, entretanto, caracterizou-se pelos atos de atrocidades, implantando o terror e saques. Isso aconteceu em 1936....
08/01/2012 - HISTÓRIA - Bando de Lampião promove rapto e seqüestro em Amparo do São Frascisco em Sergipe
Dez componentes do bando de Lampião invadiram Amparo no ano de 1937. Segundo os moradores mais idosos que lembram da história, os bandidos - oito homens e duas mulheres - chegaram à cidade de surpresa, durante a madrugada. ...
30/12/2011 - HISTÓRIA - LAMPIÃO, BANDIDO E MARKETING.
Os 70 anos da morte de Lampião têm dado margem às mais disparatadas interpretações na imprensa. Na verdade, há muito o Capitão Virgulino tem sofrido transformações maiores que as suas proezas. ...
06/12/2011 - HISTÓRIA - Onde Lampião se apaixonou
Era primavera de 1929 quando o ousado coronel do sertão, Virgulino Ferreira da Silva, chegou num casebre de taipa, com três cômodos, de onde se veem os belos Picos do Tará. Acompanhado do fazendeiro e parceiro Odilon Café, ele se apresentava para um dedo de prosa com Zé de Felipe no distante povoado de Malhada de Caiçara, em Paulo Afonso...
14/11/2011 - HISTÓRIA - Manuel Marcelino, o Bom de Veras.
Manuel Marcelino, o Bom de Veras, o homem a quem Lampião temeu. Hoje, divulgamos palpitante entrevista sobre um dos mais temíveis componentes do celebre grupo de Lampião: Manuel Marcelino - O Bom de Veras. O nosso entrevistado é o agricultor António Taveira, residente na cidade pernambucana de Sitio dos Moreira...
12/11/2011 - HISTÓRIA - O CANGACEIRO ZÉ GATO
ZE GATO ENTROU PARA O CANGAÇO QUANDO SUA IRMÃ FUGIU COM O CANGACEIRO PASSARINHO....
07/11/2011 - HISTÓRIA - CANGACEIRO JURITI
O cangaceiro baiano Manoel Pereira de Azevedo, oriundo do lugarejo Salgado do Melão, chegou ao bando de Lampião, com o nome de guerra JURITI, mas LAMPIÃO, de imediato, quer trocá-lo por Maçarico, mas o recém chegado cangaceiro rejeita o novo nome por considerá-lo afeminado e impõe a sua vontade de permancer sendo chamado de JURITI....
04/11/2011 - HISTÓRIA - Raso da Catarina, o terreiro de Lampião
Que o interior do nordeste é extremamente seco e quente não é mais novidade ao nosso povo, entretanto esta característica climática se agrava ainda mais quando se aproxima do Raso da Catarina, a região mais inóspita do semi-árido brasileiro, localizado no norte da Bahia entre os municípios de Paulo Afonso, Jeremoabo, Canudos e Macururé....
04/11/2011 - HISTÓRIA - Lampião e Conselheiro no Raso da Catarina
Pouca gente sabe disso, mas Lampião, o famoso capitão Virgulino Ferreira, também conhecido como o "Rei do Cangaço", viveu no Raso da Catarina um pedaço de sua história: segundo os guias da região, Dadá, a viúva do cangaceiro Corisco, braço direito de Lampião, teria revelado antes de morrer que Lampião enterrou por ali muitas armas e tesouros....
30/10/2011 - HISTÓRIA - Padre Cícero e Virgulino Ferreira
Comentário Recebido do companheiro Jairo Costa:Caro Severo, antes de mais nada parabéns pela entrevista. Gostaria de lhe perguntar se o Pe. Cícero contatou o Lampião e seus capangas para fazer frente à coluna Prestes?...
28/10/2011 - HISTÓRIA - O GRANDE FOGO DA CAIÇARA " INÍCIO DA RESISTÊNCIA AO BANDO DE LAMPIÃO NO RN
O episódio acima citado, ocorrido no dia 10 de junho de 1927, na então Vila Vitória, atual Município de Marcelino Vieira/RN, precisamente no lugar denominado Caiçara dos Tomáz, está muito bem relatado por Carlos Rostand França de Medeiros, no blog Lampião Aceso e pelo Sargento Gama no blog Toxina.Mas ainda tem muita novidade sobre tal ocorrência....
17/10/2011 - HISTÓRIA - O cangaceiro "Campinas"
Em Janeiro de 1928, foi preso o cangaceiro "Campinas", cujo nome era José Soares Santos. Através dele, a polícia conseguiu algumas informações de interesse para os estudiosos do Cangaço....
17/10/2011 - HISTÓRIA - O cangaceiro "Bananeira"
Horácio Teixeira Junior, o cangaceiro "Bananeira", foi um dos cangaceiros aprisionados e que sobreviveram ao Cangaço....
17/10/2011 - HISTÓRIA - O cangaceiro "Fuxico" ou "Mexirico"
O cangaceiro "Fuxico" ou "Mexirico", de nome José Francisco, ficou famoso no bando de Lampeão, ganhando, inclusive, seus apelidos, por ser um dos maiores levantadores de intriga....
06/10/2011 - HISTÓRIA - Notas históricas sobre o ousado ataque cangaceiro de 27 de julho de 1924 à cidade de Sousa (PB)
Quando dos festejos do reveillon, em Triunfo (PE), acalorada discussão envolvendo Marcolino Pereira Diniz e o magistrado local, de nome Dr. Ulisses Wanderley, resultou em tragédia, pois o primeiro, filho do poderoso "Coronel" Marçal Florentino Diniz, também sobrinho e cunhado do "Coronel" José Pereira Lima, chefe político de Princesa, alvejou o jui...
18/09/2011 - HISTÓRIA - AURORA E LAMPIÃO
(*) artigo especialmente produzido para o seminário Cariri Cangaço....
05/09/2011 - HISTÓRIA - ISAURA LOPES CLEMENTINO E A HISTÓRIA DO CANGAÇO: parte 2 (o Fogo do Cajueiro)
O "Fogo do Cajueiro", tiroteio entre o bando de Zé Sereno e o Coronel Figueiredo que resultou da tentativa frustrada do primeiro de invadir a fazenda deste último, nos finais da década de 1930, já havia sido a nós narrado por idosos do povoado Sucupira, próximo a esta localidade...
29/08/2011 - HISTÓRIA - A PRISÃO DE VOLTA SÊCA EM SERGIPE
O medo da prisão transforma o homem numa fera, é isto mesmo: os crimes dos "macacos" foram iguais aos nossos. Mas nada aconteceu com eles, nem com os homem importantes e ricos do sertão, que nos ajudaram, nos davam armas, dinheiro e comida, continuam ricos e importantes....
27/08/2011 - HISTÓRIA - Cangaceiros: alcunhas e nomes próprios
[...] Quando se fala em cangaçoLembra logo LampiãoComo falar em forróLembra logo GonzagãoFoi Cabeleira o primeiroChamado de cangaceiroNas paragens do SertãoSeu nome era José Gomes [...]...
25/08/2011 - HISTÓRIA - A História do Cangaço em AURORA
De repente no esquisito daquela caatinga enbrabecida, rompeu um grito seco e abafado cheio de terror e medo como um rosnado de bicho quebrando o silêncio sagrado daquele ambiente. Chão de brasa. Sol a pino cozinhando os miolos e o juízo dos valentes sertanejos em seu eito diário....
03/08/2011 - HISTÓRIA - ISAURA LOPES CLEMENTINO E A HISTÓRIA DO CANGAÇO: parte 1 (de Pernambuco a Sergipe)
No início de 2009, na busca das memórias de N. Sra. das Dores (SE), tive a oportunidade de conhecer a senhora Isaura Lopes Clementino. Estava em busca de memórias do cangaço, capítulo da história nacional e local que ecoa até hoje, mesmo decorridos 73 anos da morte de seu maior ícone (28 de julho de 1938), Virgulino Ferreira da Silva (1898-1938) - ...
31/07/2011 - HISTÓRIA - ANTÔNIO SILVINO E A POLÍTICA POTIGUAR
Há exatamente um século, em um ano de muita seca, na cidade de Jardim do Seridó, na região do Seridó Potiguar, em uma noite comum de terça-feira, dia 15 de agosto de 1911, por volta das sete da noite entrou na pequena localidade um grupo de homens armados, trazendo chapéus de aba quebrada, com punhais atravessados na cintura e carregando rifles Win...
29/07/2011 - HISTÓRIA - O cangaceiro Antonio Silvino em Barcelona
Antônio Silvino nasceu na Serra da Colônia, em Pernambuco, no dia 2 de novembro de 1875, e foi batizado como Manoel Batista de Moraes. Ele atacava cidades, fazendas e tropas do governo. Foi apelidado de "Governador do Sertão". Era o tempo do cangaço:...
26/07/2011 - HISTÓRIA - Lampeão em Simão Dias, SE.
A não ser por fatos isolados, Simão dias não conhecia façanhas de valentões e cangaceiros, senão pela leitura de livretos com historietas populares em versos, vendidos nas feiras, cuja s ações e façanhas tinham por cenários os longínquos sertões do Ceará, Paraíba e Pernambuco, onde se celebrizaram Antonio Silvino, Lampião e outros....
23/07/2011 - HISTÓRIA - O cangaço.
"Nordeste terra das secasDos valentes cangaceirosDos velhos homens honestosDos corajosos vaqueirosDas mulheres carinhosasDas sertanejas formosasDos famosos violeiros"......
13/07/2011 - HISTÓRIA - Jagunço e Cangaceiro
O sertão nordestino caracterizou-se como palco de histórias virulentas, de sangue, de lágrima e de dor....
06/07/2011 - HISTÓRIA - CORISCO (Por Clerisvaldo B. Chagas 2 de junho de 2011)
Em Alagoas, o cangaço teve início em seus movimentos no extremo oeste, principalmente nas regiões de Mata Grande e, então, Matinha de Água Branca. A maioria das ações cangaceiras no estado aconteceu nessa região serrana, fronteira com Pernambuco, onde oficialmente Virgulino Ferreira da Silva tornou-se cangaceiro...
22/06/2011 - HISTÓRIA - Lampião e Juriti
Lampião e Juriti...
04/06/2011 - HISTÓRIA - RUÍNAS DO CASARÃO PERTENCENTE AO EX-CANGACEIRO CHICO PEREIRA DE NAZAREZINHO
RUÍNAS DO CASARÃO PERTENCENTE AO EX-CANGACEIRO CHICO PEREIRA DE NAZAREZINHO, QUE ATUAL NA DÉCADA DE 1930. AMBIENTOU O ROMANCE "VINGANÇA NÃO", ESCRITO POR SEU FILHO, PADRE FRANCISCO PEREIRA DA NÓBREGA...



Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO